1

2015-2016

Cresceu
Este ano temos sofrido tantas perdas na nossa matilha que, ainda nem me parecem reais.Esta nossa pequena começou a saltar o portão da nossa casa e a fugir para a rua.Apesar dos nossos esforços para contrariar esta situação, lá foi encontrando formas de continuar a dar as suas voltinhas. Um dia pela manhã, já tinha saído e acabou por nunca mais voltar.
A notícia do seu atropelamento chegou dias mais tarde. 😦

Anúncios
0

Junho

Bolo do pai
Por norma, Junho é um mês agitado, dois dos homens desta casa celebram o seu aniversário e depois entre familiares e amigos são quase mais dez a celebrar o seu dia especial neste mês.
Eu tenho andado completamente isolada destas comemorações, corro para um lado para logo a seguir correr para outro. Questiono-me se no meio de tanta correria, se não estarei a perder os momentos que realmente importam. Tenho quase a certeza que sim. Mas a vida por vezes tem destas coisas, não se consegue construir sem fazer alguns sacrifícios e começar do zero é penoso.Ultimamente têm acontecido percalços e mais percalços que nos levam a paciência, que nos dão cabo do orçamento familiar.No outro dia ao fechar o portão do monte, um dos encaixes de ferro partiu-se, e pergunto-me como é que um portão de ferro se parte…Também há pouco tempo, o pai desta casa teve um furo no pneu quando ia a caminho do trabalho, nesse mesmo dia, também eu tive um furo no pneu. São demasiados percalços e eu que sou tão positiva começo a desesperar.

2

9

Festa Aniversário
Acho que pela primeira vez em nove anos, não tenho uma única foto da celebração do aniversário da minha filha. Foi um dia muito difícil para mim, muito trabalhoso, onde fiz de tudo para lhe proporcionar um dia especial, um dia em que não almocei, nem comi praticamente nada na festa. Um dia feliz, mas do qual vou precisar de tempo para me recuperar. O filho mais novo não tem colaborado e as minhas horas de sono andam escassas.
Festa Aniversário
Este ano optei por fazer um bolo de cenoura.A filha gosta muito, mas o bolo ficou tão fofo que se desmanchou todo. E a poucas horas da festa ali estava eu sem um bolo para apresentar. Tive que pensar numa solução e optei por forrar as laterais com naperons brancos de papel e atei com uma fita de seda rosa, de modo a conseguir algo parecido com um bolo .Depois despejei glacé real por cima e coloquei a flor que tinha comprado para o efeito. Valeu-me o elogio da filha, que gostou muito.No meio do caos, há peças que acabam por se encaixar.
Festa Aniversário
Apesar disso, comecei os preparativos da festa com bastante antecedência.Vi no Pinterest vários arranjos com chupas, rebuçados, marsmallows e pensei em fazer algo do género.Recorri a acessórios que tinha em casa: vasos, esponja de florista, papel crepe, cola, paus de madeira, bolas de esferovite.
Festa Aniversário
Fiz três arranjos diferentes, mas apenas fotografei este em pormenor. Este foi com marsmallows. Os outros foram com suspiros e com cavacas das Caldas.
Festa Aniversário
O efeito visual é muito bonito e é algo que se consegue fazer uns dias antes que não se estraga.
Festa Aniversário
Optei por envolver o arranjo com película aderente até ao dia especial.

0

Bicharada

G
Passaram mais de dez meses desde a chegada destes nossos caninos ao monte. Demoraram a ambientarem-se ao sítio, a nós, mas com a rotina criada tudo ficou mais fácil. Já conhecem o som do meu carro a léguas e correm que nem uns malucos ao meu encontro.
Perú
Macho, fêmea? Ainda não conseguimos ter a certeza, mas para mim é um macho, pelo menos foi-me vendido como tal. Gosto do seu ar majestoso e vou ter pena quando o seu “dia” chegar.Actualmente é a ave que mais interage comigo e que revolve tudo o que levo comigo para a capoeira.Todas as tigelas, sacos, recipientes são bicados e bicados por ele.É um bichinho muito curioso.
Novo residente
E esta bola escura estava à solta na rua mais movimentada da aldeia.Passou um carro e quase que o atropelou, eu e a filha só gritávamos dentro do carro, depois vimos finalmente pessoas no passeio a irem ao seu encontro, mas ignoraram-no completamente.Olho e outro carro passa e quase que atropela o cãozinho.Fiquei tão indignada com esta situação, que saí do carro na sua direcção e lá o agarrei.Tinha o coração aos pulos, estava muito assustado. Lá percebi que seguia a mãe, uma cadela abandonada que uma senhora alimenta.Essa senhora pediu-me que ficasse com ele, porque como ninguém se importa, o seu destino seria o atropelamento como já aconteceu com ninhadas anteriores.E pronto, ali estava eu com a bola escura na mão, sem grande alternativa.
E agora, já livre dos muitos parasitas que tinha, aqui anda ele encaixado na rotina da nossa família.
Podem escrever-me a lembrar-me que eu tenho que parar de tentar salvar todos os bichos que me aparecem à frente.Obrigada.