4

2016

My creation
2016 caminha para o fim. Finalmente. Anseio tanto por um novo ano, cheio de dias para viver momentos bons e que tanta falta fazem a esta família.

2016 foi um ano com muitos fins, o ano em que voltei a usar o meu nome de solteira, o ano em que perdi cinco das minhas meninas peludas, o ano em que o meu regresso à vida profissional correu muito mal, o ano em que o monte quase não avançou, um ano cheio de dias difíceis que teimaram em se prolongar.

Mas onde também aconteceram coisas boas, onde vivemos a experiência de ver nascer uma ninhada de cachorros, onde chegaram mais uns patudos para completar a nossa matilha, onde vivemos dias de paz e tranquilidade como há muito não tínhamos. Os filhos cresceram e festejámos os seus aniversários.

Aproxima-se um ano ímpar, gosto de números ímpares. Espero que seja um ano em que a paz conquistada se mantenha e onde os momentos especiais sejam uma constante.

 

0

2016

Jardim
Caminha rapidamente até nós, este novo ano que se avizinha.Que traga com ele coisas boas, precisamos urgentemente de coisas boas, que estes últimos dias de 2015 não têm sido fáceis.Sei desde já que, vai ser um ano de mudança, que vai requerer muito, mas muito trabalho da minha parte.Espero sinceramente estar à altura do desafio.Espero também ter força para enfrentar as adversidades.
Um Bom Ano a todos os que me visitam!

1

Momento

Alfazema
Passei a maior parte dos dias de 2014 à espera daquele momento. Um momento que se demorou no tempo, mas que depois de vários avanços e de vários recuos, finalmente chegou. Há dias em que ainda não acredito.Abro o meu livro de notas onde fui escrevendo todos os planos e faço-me ao caminho, um caminho que já me trouxe algumas surpresas, mas isso fica para outro dia. 😉

1

2014

2014
2014 não foi afinal um ano de viragem, foi um ano de espera, um ano em que quase desesperei, porque aquilo que eu realmente ansiava (e ainda anseio) ainda não aconteceu.É vermos os dias passar e aquele momento pelo qual aguardamos pacientemente não acontece.É um tempo em que colocamos em causa as nossas próprias decisões, em que me achei teimosa de mais, em que chorei muito, sozinha para que ninguém visse.Não abandonei as minhas ideias, talvez um pouco loucas, mas que traçam o caminho que quero seguir, aquele com muito trabalho e dores de cabeça e com algumas cobras e lagartos pelo meio, literalmente.

Foi um ano em que usufrui dos meus filhos a 100%, sei hoje  que não haverá outro ano assim.E eles gostam da mãe sempre disponível para eles, eu nunca soube o que era isso.E temos agora pela frente um ano ímpar, eu adoro números ímpares.Talvez isso seja um bom sinal, que faça com que esta longa espera valha mesmo a pena.

Um Bom Ano de 2015 a todos!

4

2014

Jardim
2014 vai ser o ano. O ano em que irei tentar concretizar um dos meus sonhos e se por um lado os nervos apertam-me a barriga, por outro estou deserta que chegue o dia. No meu íntimo sei que mesmo que tudo corra pelo pior pelo menos tentei e algum ensinamento levarei para o futuro. Por agora, o silêncio é de ouro.

A expectativa para este novo ano é alta. Um bom ano a todos.

1

2013

2013

Chegou ao fim o 2013. Não foi um ano fácil, foi um ano de mudança e as mudanças requerem tempo de adaptação. Foi um ano em que me propus criar e mudar muita coisa. Um ano que serviu também para descobrir com quem posso contar, é nas dificuldades que descobrimos quem está cá sempre para nós. Os meus filhos cresceram e fizemos muitas coisas juntos. Estava aqui o pensar nos piores disparates deles neste ano, o do mais velho foi sem dúvida o corte no pé que resultou em 5 pontos, do mais pequeno estou indecisa entre o dia em que ele despejou um litro de óleo alimentar na cozinha ou o dia em que ele pintou a casa de banho com tinta azul e tinta branca e a pequena foi a ameaça de que ia fazer as malas para ir viver para outra casa. Como melhores dias vou eleger os dias dos seus aniversários e o Natal, dias em que por norma estão mais felizes do que o habitual por todos os preparativos que antecedem estes dias especiais.

2

Caderno de Receitas

Caderno de Receitas

A nossa passagem de ano foi caótica, depois de vários dias doente o nosso pequeno piorou e passei parte do dia 31 nas urgências pediátricas.Um dente a romper, mas que demora a romper, febre e muita expecturação, têm sido assim os nossos últimos sete longos dias.Quando chegou a meia-noite, estava ele na banheira para que a febre baixasse.O pai e os mais velhinhos dormitavam no sofá.Não houve espumante, nem passas, apenas um desejo de saúde.Com saúde é tudo mais fácil.

Nestes dias, não fiz praticamente nada, apenas coloquei em prática algo que tinha em mente e que passava por reciclar as poucas revistas de receitas que compro.Não o queria fazer sem antes retirar as que me interessam, sem no entanto tê-las por aí espalhadas.Para isso, utilizo um caderno com separadores e onde as estou a colar com fita cola sem ordem especial, apenas separadas por sopa, entradas e outros, pratos principais e sobremesas.

Obviamente que isto chamou a atenção dos mais velhos e quando eu menos esperava ali estavam os dois junto a mim, cada um com um caderno a cortar e a colar receitas excluídas.E sempre que eu pego no caderno, lá vêm os dois com o deles para enchermos mais umas páginas.

Gostava muito de conseguir planear mensalmente todas as refeições do mês e assim reduzir as idas ao supermercado e também para descansar um pouco do: “mas o que é que eu vou fazer hoje para o jantar?”.Planeando o menu, já conseguia definir o que preciso de comprar e podia ser que as minhas correrias diminuissem um bocadinho.

Iniciei também o inventário da arca congeladora, que não é mais nem menos do que um papel onde tenho escrito tudo o que tenho lá guardado, para assim conseguir gerir melhor as compras.