A Nova

No sábado fui buscá-la.Não foi uma decisão fácil, ponderámos muito, os prós e os contras e face ao caos que tem sido este Verão, achámos que mais uma não faria diferença para nós e talvez fizesse alguma diferença a alguém.

Apenas a vi em fotos e vê-la pela primeira vez à minha frente foi um choque, ela era tão “maior” do que aquilo que eu estava à espera. Mas isso não me fez desistir, para mim ela era a mais bonita que estava ali.

Enfiada numa caixa muito pouco confortável, ladrou o caminho todo, certamente que não queria aquela viagem incerta com quem não conhecia. O olhar triste, a cauda para baixo, ficou assim muito tempo. Apresentei-a então e até nem foi mal recebida. No final do dia a a cauda já se levantava, mas continuou a ignorar-me durante muito tempo. Fez-me perceber que eu lhe tinha tirado as poucas certezas que ela tinha, fez-me duvidar da minha capacidade de a conquistar, logo eu que sou tanto pelos cães e que tenho tantas histórias com finais felizes. 

Quando o meu filho a viu, preocupou-se:

-Mãe a nova não tem comida.

E apressou-se a dar-lhe bolas de ração à boca, que ela trincou satisfeita.

Quanto a mim acho que a conquistei com uma tigela de arroz com frango. Hoje segue-me para todo o lado, lambe as mãos que lhe fazem festas, morde-me os chinelos, desfia-me o tapete.Espero que daqui a um tempo ela sinta que é nossa.

One thought on “A Nova

  1. Costuma-se dizer que eles conehcem quem lhes dá de comer… Ja vi foto dela no outro lado. É uma fofa, mas tem de ar de que vai ser possante.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s